Paula Canella

Terrorismo emocional nos relacionamentos


Quem nunca deixou de fazer algo que tanto gosta pelo simples medo de ser mal interpretado pelo companheiro? Quem nunca ficou apavorado com um julgamento inacreditavelmente negativo e errôneo sobre si e ainda se sentindo culpado e até mesmo com medo de ser revidado, simplesmente porque o outro o acredita que sua imaginação é verdade absoluta?

Quem nunca passou por isso certamente é um felizardo, que não sabe o que é terrorismo emocional.

O terrorismo começa quando permitimos!

Quando permitimos que o outro levante a voz, quando imploramos e argumentamos para que o outro acredite em nós, mesmo quando estamos dizendo a verdade. Quando deixamos que o outro nos obrigue a pedir desculpas por coisas que não fizemos.

O terrorista utilizará todos os dados que tem contra você. Muitas vezes ele apontará seus defeitos ou ações no começo do relacionamento, até que ele consiga mais informações sobre você, a fim de ter todo um roteiro que te faça ser uma verdadeira sombra do que realmente é!

Mas sim, isso somos nós que permitimos também. Todos possuímos um passado, mas não somos refém dele. Agregamos pessoas em nossas vidas e com isso mudamos sabores, costumes, gestos e rotinas. Ninguém precisa ficar justificando o que era antes de conhecer o companheiro. Devemos contar a fim de que o outro saiba de onde viemos, mas o que seremos a partir deste novo relacionamento a responsabilidade é dos dois, e do que vamos fazer com o sentimento e a forma com que vamos agir com o amor.

Todos possuímos um passado,

mas não somos refém dele.

Portanto, antigos relacionamentos não devem ser considerados base para nada. Um novo amor, uma nova base, somos pessoas e aprendemos desde que nascemos. Se já houve um rompimento anterior é porque algo já não estava sendo bom, então para quê usar uma base ultrapassada para uma nova fase?

Informe seu parceiro apenas uma vez sobre todo seu passado e o que o fez querer mudar!

Ficar repetindo em todas as brigas o motivo pelo qual não faria mais o que fez no passado, ainda mais em relação a outras pessoas, é como tentar convencer alguém por insistência e isso não é bom, pois se a pessoa não acreditou em suas palavras na primeira vez, não será na milésima que vai acreditar.

Além do mais, se você acrescentar ou esquecer algo esta pessoa ainda achará mesmo que está mentindo. O terrorista emocional tem facilidade em lembrar-se das palavras de suas vitimas, mas possuem dificuldade de recordar das próprias.

O terrorista emocional vai tornando-se mais forte a cada passo que você o deixar ultrapassar na fronteira do respeito.

Incialmente serão através de criticas, reclamações, ironias, julgamentos e ataques energéticos de polos negativos.

Após um tempo será com gritos e ameaças para você e para as pessoas as quais te cercam.

Em ultimo estágio o terrorista ataca com atos inacreditáveis, como perseguições, invasões, violência e etc..

Mas como reconhecer um terrorista emocional?

Nem sempre será fácil reconhece-los imediatamente, afinal quando conhecemos alguém que tem interesse em nós, esta pessoa dará um jeito de agradar e mostrar todas as vantagens de suas virtudes.

Mas cuidado com pessoas que se dizem “traumatizadas” com outras pessoas. Leve sempre em consideração que um relacionamento só fica ruim se as duas pessoas permitirem. Caso uma esteja desinteressada de sofrer não haverá relacionamento. Ninguém é totalmente vitima e nem totalmente culpada, a mistura química de um relacionamento necessita de dois agentes.

Evite também testar o seu parceiro

Seja sempre muito clara com o que deseja e diga exatamente o que considera intolerável, este negócio de aceitar tudo no inicio é uma armadilha para os dois lados. Lembre-se sempre que temos o hábito de mostrar o nosso lado mais positivo quando estamos investindo num relacionamento. Logo, os primeiros defeitos também serão os mais leves. Se criarmos uma cultura de aceitar tudo para mudar depois será uma ilusão, pois a tendência e ficar um pouco mais pesado, se você aceitou até agora o outro achará que deverá aceitar tudo, agora com base no relacionamento solidificado.

Evite também testar o seu parceiro, testar até onde ele vai pode ser como dizer a ele que ele também pode fazer o mesmo. O ser humano tem uma tendência a aprender, principalmente com o que lhe causam dor. Se você machucá-lo para saber quanto ele gosta de você ele achará que machucar é uma forma de amor.

O terrorista entende que sua obsessão é amor!

É muito comum eles confundirem sentimento de posse com amor. Muitas vezes, o sentimento pesado, aflição, temor, pensamentos obsessivos e repetitivos, ansiedade e apreensão são os sintomas pelos quais eles visualizam o amor, é a única versão que eles têm do sentimento de gostar.

Quando eles se consideram apaixonados, irão tentar te dominar e subjugar, tentando controlar seus passos, jeito, hábitos e gostos. O relacionamento é instável, uma que, caso mudem de ideia você terá que mudar com eles, e tudo o que você não conseguir fazer será usado contra você!

Ele vai te destruir pela autoestima, repetindo diversas vezes seus defeitos, fazendo com que você tenha uma visão ruim de si mesma. Em seguida, os seus relacionamentos com amigos e familiares,  a dominação inicial será sutil, mudando aos poucos, colocando ideias negativas sobre as pessoas ao seu redor, mas se a caso insistir em manter outros ao seu convívio então será guerra declarada! E sim, ele irá declarar guerra contra você a certo ponto de também fazer o mesmo a outra pessoa. Simples, se ele não consegue te afastar das pessoas, ele afastará as pessoas de você.

E sempre será assim, pessoa por pessoa, você sempre terá que escolher, ou os outros ou  ele, a ameaça que ele usará contra você é justamente o fim do relacionamento. O terror da solidão unida á baixa autoestima, faz com que acreditemos que aquela pessoa é a única pessoa que realmente gosta de nós, pois é a pessoa que sofre, chora e vai ao extremo.

Nós também temos uma visão errada do amor, nem sempre quem faz loucura nos ama, para alguns fazer loucura é uma atitude normal, quando estamos em carência afetiva, queremos de qualquer forma nos sentir amados, mas na maioria das vezes o que está faltando é justamente amor, e sobrando doença.

Todos nós, vitimas ou terroristas,

estamos a mercê de que nos causem sofrimentos

O terrorista emocional também sofre, mas prefere acreditar que o problema sempre é do outro, fazendo com que ele vá ao extremo e se apaixone doentiamente por todas suas vitimas, e sempre diz cansado de sofrer, mas sem querer realmente se curar.

O nosso defeito moral e emocional só pode ser corrigido por nós mesmos, quando optamos por olhar para si mesmo como doente e procurar ajuda.

Todos nós, vitimas ou terroristas, estamos a mercê de que nos causem sofrimentos, todos podemos regredir e transformar nossos traumas em facas afiadas no emocional de outras pessoas, mas devemos compreender que temos parte da responsabilidade quando nos ferem e temos a total responsabilidade de nos corrigirmos, ás vezes temos ajuda em nos machucar, mas também temos o poder de nos autorregenerar.

O maior bem que possa receber terá que vir de ti mesmo!

paula

Paula Adriana Canella tem 31 anos, é assessora comercial, casada, mãe da Duda, estudante de artes místicas, regressão, desdobramentos energéticos e tudo o que tem explicação racional, mas que não limita a mente. Acredita que as pessoas existem conforme o nível de seu pensamento, mas dificilmente são o que pensam ser.

É cobaia de suas próprias teorias, com intuito da melhora do sistema existencial de seu próprio mundo, objetivando encontrar a vacina adequada para seus próprios erros e a conservação de sua humanidade.


2 Comentários on Terrorismo emocional nos relacionamentos

  1. Luz Fabiana

    Parabéns!!
    Como sempre mandando bem!
    suas palavras são perfeitas!
    continue assim tenho orgulho de fazer parte da sua vida!

  2. Mariana Bortolassi

    Tens o dom da palavra.
    Parabéns por usa-las tão bem.

    Agradeço aos espíritos de luz
    por nossa amizade!

    Deus abençoe

Comments are closed.