PUBLICIDADE

Em rede nacional, diretor-geral brasileiro fala sobre meio ambiente, gestão eficaz e destaca história da Itaipu

Entrevista ao programa de rádio A Voz do Brasil foi veiculada na noite da segunda-feira (20).

 

O diretor-geral brasileiro, Anatalicio Risden Junior, foi o entrevistado dessa segunda-feira (20) do programa “A Voz do Brasil”, que conta com uma audiência de 70 milhões de ouvintes. Direto do estúdio da EBC, em Brasília (DF), ele abordou, entre outros temas, a nova perspectiva da atual administração, a qual chamou de “gestão racional com austeridade”. Segundo ele, o objetivo foi lançar um novo olhar na administração dos recursos da empresa para, de forma mais eficaz, deixar um legado à comunidade e à nação.

Mas o principal assunto da entrevista foi o cuidado com o meio ambiente. Risden apresentou os números que fazem da empresa um exemplo internacional em preservação, como, por exemplo, os 1.340 km de floresta recuperada ao longo da margem brasileira. “Itaipu tem trabalhado desde a década de 80 na preservação das matas ciliares. Eram áreas de plantação e de criação de animais. Hoje temos fixação de carbono nessas áreas, que foram replantadas. Somos reconhecidos internacionalmente por esse papel”, disse, lembrando dos prêmios Life (de biodiversidade) e Água para a Vida (de melhor gestão de recursos hídricos do mundo em 2015).

O DGB fez questão de ressaltar também o trabalho com as microbacias e todo o cuidado com a água que abastece o reservatório. Ele citou, por exemplo, a dedicação das equipes de educação ambiental junto aos produtores rurais dos municípios lindeiros, o que garante, além da faixa de 200 metros de mata ciliar, o manejo adequado das propriedades próximas. “Temos 40 anos de dados da qualidade da água do reservatório e de rios da região. Usamos um sistema de inteligência para manutenção deste recurso que é a matéria-prima para geração de energia. Isso passa pelos ensinamentos aos agricultores para que eles cuidem do que vai para a água”, comentou.

Quando questionado se há envolvimento da empresa também na atenção à fauna da região, Risden citou o exemplo do Refúgio Biológico Bela Vista, que tem ajudado na recuperação de espécies ameaçadas de extinção, como harpia e a onça-pintada. “É um trabalho conjunto com outros órgãos do governo, em que buscamos proteger esses animais. Já enviamos, inclusive, harpias para outros zoológicos”, comentou.

Outro ponto de destaque da entrevista foi a participação da Itaipu no cumprimento dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). O diretor-geral brasileiro reforçou o compromisso da Itaipu especialmente com os itens 6 (água potável e saneamento) e 7 (energia limpa e acessível), ressaltando, contudo, que é uma das poucas empresas do mundo que tem ações em todas as áreas que compõem a Agenda 2030, da ONU.

E a memória da Itaipu também esteve na pauta. Risden destacou o trabalho do Ecomuseu, que resgata a história da empresa e da região, das ações tomadas ao longo dos anos desde o início do projeto. Segundo ele, Itaipu nasceu de uma questão diplomática e hoje, 50 anos depois, se mantém como uma solução binacional de bom relacionamento com o país vizinho, o que precisa ser preservada.

Créditos: Stela Guimarães/Itaipu Binacional.

Facebook
Google+
Twitter