Notícias Gerais

Emissão de vistos eletrônicos impulsionará a visitação de estrangeiros em Foz do Iguaçu


Turistas de Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão serão os próximos contemplados.

A emissão de vistos eletrônicos para cidadãos de quatro países deve impulsionar a entrada de estrangeiros em Foz do Iguaçu. A medida anunciada pelo Ministério do Turismo beneficia turistas da Austrália, Estados Unidos, Canadá e Japão. O sistema eletrônico começa a valer no dia 21 de novembro para turistas australianos.

Todo o processo de solicitação de vistos, pagamento de taxas, análise, concessão e emissão poderão ser feito pela internet, com a estimativa de que o processo completo esteja pronto em até 72 horas. O benefício se estende para viagens de trabalho.

Antes os turistas desses países gastavam tempo e dinheiro para se deslocarem até os Visa Centers e consulados brasileiros de seus países para solicitarem os vistos de entrada no Brasil.

Em janeiro do próximo ano, o sistema eletrônico começa a valer também para turistas canadenses, americanos e japoneses. As datas já foram definidas para cada país: Canadá (8), Estados Unidos (15) e Japão (22).

” O visto eletrônico é uma medida inteligente que vem em boa hora, no momento em que precisamos recuperar o público internacional e mudar a imagem do Brasil no exterior. Foz do Iguaçu será um dos destinos mais beneficiados”, afirma o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

Barreiras

Segundo o presidente do Conselho Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu (Comtur), Felipe Gonzalez, a exigência do visto de entrada para esses países fixava uma barreira para o crescimento na visitação ao país, em especial à Foz do Iguaçu.

“Os operadores internacionais estão recebendo a notícia da facilitação dos vistos com excelente expectativa de melhorar a demanda para as visitas às Cataratas, no lado brasileiro, e demais atrativos, sendo que atualmente a grande maioria de turistas destes países visitava apenas o lado argentino das Cataratas, em Puerto Iguazu, e nem cruzavam a fronteira”, afirma Gonzalez.

Ainda de acordo com Gonzalez, outra grande barreira no país que precisa ser superada é o sistema de distribuição aérea “que desapareceu com a quebra da Varig, juntamente com o Brazil Air Pass, serviço da extinta companhia, que permitia ao viajante estrangeiro optar e viajar para até quatro pontos turísticos brasileiros com a mesma empresa, o que tornava os valores mais acessíveis. Hoje com a dimensão continental, e sem esta modalidade, o custo aéreo se torna mais elevado”, reforça.

Otimismo

A expectativa é que a medida aumente já na próxima temporada de verão o fluxo de estrangeiros no Destino Iguaçu. O crescimento deve girar em torno de 10%. “Estou participando da reunião do Conselho Nacional da ABAV em São Paulo e vou apresentar uma indicação para que a entidade (ABAV) trabalhe essa questão, juntamente com o Ministério do Turismo, Embratur, Companhias Aéreas e outros”, disse.

Números

Segundo dados do Parque Nacional do Iguaçu, 52.756 turistas destes quatro países (Austrália, Estados Unidos, Canadá e Austrália) visitaram a unidade de conservação, onde estão localizadas as Cataratas do Iguaçu, no ano passado.