Notícias Gerais

Sindicatos de Foz do Iguaçu fazem protesto contra a reforma da Previdência


Mobilização em Foz acontece no TTU – foto Marcos Labanca – Arquivo

Sindicatos, organizações populares e movimentos sociais de Foz do Iguaçu realizam ato público contra a reforma da Previdência, nesta sexta-feira, 22, em Foz do Iguaçu. A mobilização inclui panfletagem às 11h e às 17h no Terminal de Transporte Urbano (TTU), ação a ser estendida a avenidas próximas.

A manifestação faz parte do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência. Convocado por centrais sindicais, é o primeiro ato unificado depois que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) encaminhou ao Congresso Nacional o projeto que altera o sistema previdenciário e as regras de aposentadoria.

Em comunicado conjunto, as entidades iguaçuenses sustentam que o projeto de reforma da Previdência (PEC nº 6/2019) exigirá mais tempo de trabalho e de contribuição para a aposentadoria. Os valores dos benefícios também serão reduzidos, sustentam sindicatos e organizações sociais.

“A ‘reforma’ de Jair Bolsonaro em trâmite é muito mais perversa do que a do ex-presidente Michel Temer (MDB), apresentada em 2018 e que foi barrada pela população e os movimentos sindical e popular”, diz o texto das organizações promotoras do ato público em Foz do Iguaçu.

Conforme a nota, o governo se utiliza de informações distorcidas para conquistar apoios à reforma da Previdência. As entidades alegam que apurações de instituições e do próprio Congresso Nacional demonstram não haver “rombo” nas contas da Previdência, como afirma a presidência.

“Enquanto quer tirar direitos do trabalhador, o governo impede auditoria sobre a causa de eventuais déficits”, ressalta o informativo dos sindicatos. “O governo isenta bilhões de reais e dívidas de grandes empresas com a Previdência, mas quer fazer a população arcar com a fatura da reforma.”

“De modo geral, mulheres, jovens, trabalhadores rurais e a população mais pobre sairá perdendo em caso de aprovação da reforma da Previdência”, aponta o coletivo sindical e social. “Os ataques atingirão até mesmo o PIS dos trabalhadores e o recurso de assistência social pago pelo INSS a pessoas carentes”, conclui a nota.

Previdência privatizada

Outro ponto da reforma da Previdência questionado pelas entidades é a proposta que busca substituir os sistemas públicos de previdência (próprios e geral) por sistema de capitalização. Nesse modelo, conforme o projeto, poderá haver ou não contribuição do patrão e dos entes federados.

“Isso desobriga a contribuição dos empregadores, não garantindo solvência de fundos para o momento da aposentadoria. Esse modelo só favorece aos bancos e às instituições financeiras. E mais: não garante que a pessoa que contribuiu a vida inteira de fato receberá sua aposentadoria”, expõe a nota.

Panfletagem e conscientização

Para o ato público em Foz do Iguaçu contra a reforma da Previdência foi elaborado um informativo com as principais mudanças propostas pelo projeto do governo. São cem mil exemplares que serão distribuídos durante as panfletagens nesta sexta-feira e utilizados nas mobilizações que seguirão acontecendo.

Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência

Sexta-feira, 22, às 11h e às 17h

Terminal de Transporte Urbano (TTU) – Foz