PUBLICIDADE

Startup Óleoponto foi uma das selecionadas no edital Smart Vitrine do Programa Vila A Inteligente, para testar e validar suas tecnologias em Foz do Iguaçu

O que é feito com todo óleo de cozinha que utilizamos? Infelizmente, na grande maioria das vezes ele é despejado no ralo da pia, nos rios e no solo, contaminando o meio ambiente.

 

Nos últimos anos, surgiram empresas que reciclam esse óleo de cozinha, transformando-o em biodiesel. Foi pensando em evitar que rios e solos sejam cada vez mais poluídos que surgiu a Óleoponto, que desenvolveu uma máquina que coleta o óleo de cozinha usado.
O equipamento funciona da seguinte forma: o usuário vai até a essa máquina e faz um cadastro na tela. O equipamento abre uma porta e pede para colocar uma garrafa na abertura. Haverá uma notificação para posicionar corretamente a garrafa. Em seguida, a máquina inteligente irá identificar se é líquido é óleo de cozinha ou não. Se não for, o equipamento desclassifica o envio, mas se for óleo, ele enviará o recipiente correto para coleta.
Após aprovar a coleta, a garrafa será devolvida para reutilizá-la mais vezes. Além disso, a máquina emitirá pontos que poderão ser trocados em supermercados para comprar mais óleo de cozinha. A cada 1 litro o usuário ganha 10 óleopontos e a cada 60 óleopontos é possível trocar por 1 litro de óleo. Esse resgate será feito via site.
Segundo Zadrik Mendonça, CEO da Óleoponto, a missão da empresa é contribuir com a preservação do meio ambiente. “O descarte inadequado de óleo de cozinha é um grande problema. Para se ter uma ideia, 1 litro de óleo de cozinha pode contaminar 25 mil litros de água. Isso sem falar na contaminação do solo. Atualmente são mais de 3 bilhões de litros de óleo de cozinha produzidos todos os anos e apenas menos 4% é reciclado”, explicou o CEO da Óleoponto.

Programa Vila A Inteligente
De acordo com Zadrik Mendonça, o primeiro protótipo da máquina começou a rodar no município de Andradina. A máquina está sendo aprimorada e, por isso, participar do edital Smart Vitrine é uma excelente oportunidade.
“Fazer parte disso é surreal. É fantástica a oportunidade de estar em um ambiente de testes, ter o feedback dos usuários para aprimorar ainda mais a experiência com essa tecnologia. Além disso, a visibilidade do trabalho será excelente porque, no Bairro Itaipu A, também estarão presentes outros trabalhos em Cidades Inteligentes. O Programa Vila A Inteligente é muito importante porque o que vai mudar a nossa vida é a inovação”, disse Zadrik.
Até o final do ano será instalado um equipamento do Bairro Itaipu A, podendo expandir para mais unidades, se houver demanda.

Inovação e empreendedorismo
Segundo o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, o edital Smart Vitrine está fomentando o empreendedorismo, a inovação e a geração de empregos.
“A seleção de seis empresas, que vão testar e validar suas tecnologias, ainda esse ano, é mais um passo para tornar o nosso município uma referência nacional em Cidades Inteligentes. O desafio é unir inovação e empreendedorismo, diversificar a economia, na geração de emprego e renda de Foz do Iguaçu para trazer qualidade de vida e bem-estar à população”, disse o general Garrido.

Créditos: PTI-BR

Facebook
Google+
Twitter