Bobato deixa comando da saúde com importante trabalho em defesa do SUS

Investimentos nos últimos anos foram fundamentais para transformar Foz na cidade paranaense mais preparada contra a Covid-19

 

O vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Nilton Bobato entregará o cargo de secretário da saúde na segunda-feira (01) e retornará ao gabinete ao lado do prefeito Chico Brasileiro para dar sequência às ações de enfrentamento à Covid-19 e retomada da economia.

Bobato permaneceu a frente da pasta por um ano e um mês e realizou um importante trabalho em defesa do SUS, cuja principal marca é a expressiva ampliação do acesso da população aos serviços de saúde. Fim das filas, informatização do sistema via RP Saúde e horário noturno nas unidades básicas de saúde figuram entre as principais ações.

Somente na Atenção Básica, a cobertura saltou de 56% para 84% e o número de usuários acompanhados pela rede teve um salto de 185%. Em sua gestão também foram entregues à população novas obras como a UBS São Roque, a UAI (Unidade de Acolhimento Infanto Juvenil), Caps II Flávio Dantas de Araújo e a Unidade de Saúde 24horas do Porto Meira.

Ampliação
Além da reestruturação física, mais de 300 servidores foram contratados no ano passado, tornando possível implantar o horário noturno em sete unidades básicas de saúde. Isso resultou em recordes históricos na assistência com aumento de 214% nos atendimentos da atenção primária à saúde e mais de 60% em consultas e exames especializados, no comparativo com 2018.

Também houve aumento de 162% no número de atendimentos médicos, que saltou de cerca de 93 mil em 2018 para mais de 245 mil em 2019. Nas UPAS, mais de 230 mil pessoas foram atendidas no ano passado. Nas especialidades, foram mais de 110 mil consultas e cerca de 30 mil exames realizados no ano.

Fim de filas
A ampliação no número de servidores e a informatização no sistema de agendamento com a implantação do RP Saúde resultou no fim da peregrinação dos usuários na rede. O RP Saúde foi um dos grandes avanços da pasta e está implantado em praticamente toda a rede incluindo o Hospital Municipal Padre Germano Lauck e o Hospital Ministro Costa Cavalcanti. O novo sistema de informatização foi premiado pela Rede Cidades Digitais e compartilha na rede o prontuário eletrônico do paciente, unificando protocolos e melhorando o acesso e os encaminhamentos no sistema.

Com as medidas, o sistema chegou a zerar 20 filas de especialidades que foram automatizadas. Com isso, o paciente passou a sair da UBS com o agendamento do procedimento.

Saúde da mulher
A pasta registrou avanços em várias áreas, principalmente nos exames voltados à saúde da mulher e da criança com o atendimento da demanda por mamografias, preventivos e ultrassonografias. A secretaria realizou vários mutirões e hoje todas as gestantes estão em dia com os exames do pré-natal.

As medidas vêm acompanhadas pela reestruturação da política de atenção à saúde da mulher. Com ações como o apoio matricial na rede pública e integração dos profissionais para estudos de casos no pré-natal, a saúde continua mantendo os índices dentro dos limites estabelecidos pela OMS (dez mortes para cada mil nascimentos). O índice no último quadrimestre chegou a 8.97 e a média do ano 9.96.

Imunização
O programa de imunização também foi marcado por muitos avanços com a superação de metas na cobertura vacinal, tais como a BCG com 108% de cobertura; Rotavírus com 109%; Tríplice Viral com 101%; Poliomielite com 104%; Meningo com 110% e Pneumo com 112%.

Covid-19
A capacidade de enfrentamento à Covid-19 é uma das marcas dessa gestão. A cidade foi uma das primeiras a implantar medidas de prevenção e enfrentamento à doença, o que garantiu melhor assistência aos pacientes e um número abaixo da média nos casos graves e de internação.

Ainda em janeiro, o município criou o Plantão Coronavírus e o Comitê de Enfrentamento à Covid – 19. A Central Covid, no Hospital Municipal Padre Germano Lauck, conta com 20 leitos de UTI e 50 de enfermaria. O município capacitou equipes, ampliou a oferta de testes, implantou a telemedicina e conquistou a habilitação do Laboratório Municipal.

Foz também foi à primeira cidade a vacinar os idosos de casa em casa contra a gripe e uma das primeiras a exigir o uso de máscaras nas ruas e no comércio. O município suspendeu impostos, criou programas de incentivo ao microempreendedor e adotou protocolos de segurança para a retomada das atividades econômicas.

Hoje o Hospital Municipal é referência no atendimento para os nove municípios da região Oeste do Paraná. Além disso, a cidade superou desafios e implantou, em tempo recorde, uma Unidade de Terapia em Doenças Infecciosas, com 12 novos leitos, que podem ser utilizados também como unidade de terapia intensiva.

Likes:
0 0
Views:
159

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.