PUBLICIDADE

R$ 76,8 milhões são investidos em parques urbanos e unidades de conservação

Do montante, R$ 46,8 milhões são investidos na criação de Parques Urbanos em áreas de fundo de vale e R$ 30 milhões na conservação de Unidades de Conservação Estaduais. Foto: Gilson Abreu

Com o objetivo de proteger a biodiversidade no Paraná, o Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, investiu em 2020 em torno de R$ 124 milhões. Desse montante, R$ 46,8 milhões foram utilizados para a criação de parques urbanos e R$ 30 milhões direcionados a ações nas Unidades de Conservação (UC’s).

O programa Parques Urbanos incentiva a criação de áreas verdes em regiões de fundo de vale ou áreas com ações erosivas. Uma das características comuns às áreas de Fundo de Vale é a presença de recursos hídricos, o que aponta para a existência de Áreas de Preservação Permanente (APP).

Além da recuperação ambiental, a iniciativa busca o possibilitar opções de lazer nos municípios beneficiados. “Esses novos espaços precisam ser vistos como oportunidade de promover o turismo e o desenvolvimento sustentável dos municípios”, afirma o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

Estas são as regiões mais baixas do relevo ao seu entorno, de maneira a trazer toda a água que escoa de chuvas para o mesmo lugar. As intervenções através do programa atingem mais de 1,5 milhão de metros quadrados de área em todo o Estado.

OBRAS – O programa Parques Urbanos, lançado em 2020, vai viabilizar a construção desses espaços em 46 municípios do Paraná. Até o mês de agosto, 38 parques lineares entraram na fase inicial das obras. Outros 61 projetos aguardam análise do corpo técnico. O interesse em pleitear o recurso parte da administração municipal.

Após aprovação do projeto pelo IAT, os repasses financeiros são feitos conforme a progressão da obra. É necessário que o município tenha, além da aprovação do projeto e do convênio firmado, a Licença Ambiental e a Outorga ou dispensa de outorga, emitidas também pelo instituto.

REVITALIZAÇÃO E MANEJO – As Unidades de Conservação receberam ações de revitalização e reflorestamento. O recurso investido é resultado de medidas compensatórias acumuladas ao longo de cinco anos e disponibilizado em 2020 para a manutenção de áreas verdes.

O investimento de R$ 30 milhões também corresponde à contratação de planos de manejo para 17 unidades; à elaboração de um diagnóstico de todas as 71 UC’s estaduais; e ao Programa de Voluntariado.

“A efetivação dessas políticas públicas permitiu que tenhamos não apenas uma visão mais assertiva sobre as necessidades ambientais do Paraná, mas também uma melhoria na qualidade de vida das pessoas no entorno das regiões contempladas”, disse o diretor de Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto.

As questões ambientais tomaram ainda mais força em 2020. “Vivemos um período que nos faz refletir ainda mais sobre a importância de preservar o meio ambiente para a manutenção da vida e o Governo do Paraná mostra seu comprometimento na preservação ambiental”, afirmou o diretor de Políticas Ambientais do instituto, Rasca Rodrigues.

REFERÊNCIA – O resultado do trabalho das políticas públicas implementadas pelo IAT é exemplo para o País. O Paraná ficou na terceira colocação no quesito sustentabilidade ambiental no Ranking de Competitividade dos Estados, publicado no mês de setembro.

Facebook
Google+
Twitter