PUBLICIDADE

Estudante angolano da UNILA destaca-se em competições de atletismo

O angolano Afonso José Dala chegou ao Brasil em 2017. Inicialmente, morou em São Paulo. Sua ideia era trabalhar, mas sem deixar de lado o sonho de ingressar na universidade. Na capital paulista, Afonso não deixou de lado, também, sua maior paixão: o atletismo. “Sempre gostei de correr, desde criança. E participo de competições desde os 13 anos. O dinheiro que juntei para a minha viagem ao Brasil foi de premiações recebidas das corridas que participei em Angola”, conta.

Em São Paulo, ele trabalhou como auxiliar de controle de qualidade em uma empresa de tecnologia. Entretanto, apesar de ter iniciado o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas em uma faculdade privada, sua tentativa de conseguir uma bolsa atleta não obteve sucesso. Foi aí que teve conhecimento de que a UNILA havia lançado um processo seletivo para refugiados e portadores de visto humanitário. Inscreveu-se e foi aprovado para a graduação em Administração Pública e Políticas Públicas, que cursa desde o início de 2019.

“Gosto de todos aqui na UNILA. Fui muito bem recebido por estudantes, técnicos e professores. Dou muito valor ao que a Universidade está me proporcionando, pois não pude fazer uma faculdade em meu país e tive essa oportunidade aqui”, ressalta. “Além disso, acho muito interessante essa questão da integração que a UNILA promove, reunindo pessoas de muitos países”, complementa.

Conciliando o esporte com os estudos, Afonso treina de segunda a sábado, no período da manhã, com atividades na pista do Ginásio Costa Cavalcante, em ruas de bairros da região norte de Foz do Iguaçu e na academia da Unidade Jardim Universitário. Em seus treinamentos, chega a correr 15 km por dia. “Levo o esporte muito a sério e me dedico muito a isso. Resultados não aparecem do nada, tem que treinar muito”, enfatiza.

Neste ano, o atleta participou da Meia Maratona das Cataratas e da Corrida da Rádio 97,7 FM, terminando ambas na terceira posição geral. O estudante gostaria de participar de um número maior de competições, mas o custo de inscrição das corridas ainda é um obstáculo. “Minha intenção é nunca parar. Quero correr pelo resto da vida. Corrida não tem idade”, afirma. “Um dos motivos que me faz incentivar outros estudantes a correr é o bem que a atividade faz para a saúde, e não só para a parte física, mas também para a saúde mental”.

Os interessados em oferecer patrocínio ao atleta também podem contatá-lo pelo facebook https://www.facebook.com/jowilson.afonso.1.

Facebook
Google+
Twitter