PUBLICIDADE

Região Oeste poderá ser reconhecida como polo de inovação no agronegócio

Medida foi discutida com diretoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no Show Rural Coopavel, em evento do POD e Sebrae

 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) poderá chancelar a Região Oeste como Polo Regional de Inovação no Agronegócio. Essa medida foi debatida com o diretor de Inovação do ministério, Luis Cláudio de França, em eventos do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) e Sebrae, no Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR).

O pedido, em tramitação no MAPA, é uma demanda das instituições que integram o Sistema Regional de Inovação (SRI), que articula o movimento Iguassu Valley, rede de atores públicos e privados da região que estimula ambientes inovadores. Os polos de agroinovação desenvolvem soluções tecnológicas ligadas à produção rural.

No Paraná, somente a cidade de Londrina é reconhecida pelo governo federal como Polo Regional de Inovação no Agronegócio. Conforme Luis Cláudio de França, o ministério irá agilizar o andamento da solicitação feita pela Região Oeste para que o SRI passe a integrar os esforços do MAPA na definição e consolidação desse programa nacional.

“Entendemos que a Região Oeste já é um polo de inovação. Vamos acelerar o procedimento de reconhecimento pelo ministério para seguirmos construindo juntos esse processo, integrando e dialogando com as iniciativas pública e privada, universidades e instituições de pesquisa”, afirmou o diretor do MAPA.

“O governo quer promover os polos de inovação servindo de ponte para atrair investimentos, empresas, e conectar todos os agentes de inovação”, esclareceu Luis Cláudio de França. “A intenção é trabalhar o desenvolvimento para que a região seja cada vez mais pujante”, enfatizou o diretor do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Visibilidade

Gerente da unidade Regional Oeste do Sebrae, Augusto Cesar Stein destacou que o programa de polos de inovação está em implantação pelo governo federal. “O importante é que, reconhecidos oficialmente como Polo Regional de Inovação no Agronegócio, vamos participar dessa construção”, explicou.

As regiões chanceladas, frisou, já promovem inovação. Com o reconhecimento, poderão receber recursos, editais, políticas públicas e apoio. “O Oeste ficará ainda mais em evidência, podendo atrair investimentos públicos e privados e envolver empresas ligadas ao agronegócio e à TI, parques tecnológicos, incubadoras, aceleradoras, academias, entre outras instituições”, pontuou.

 

Polo de fronteira

Para o presidente do POD, Danilo Vendruscolo, o polo de inovação do Oeste deverá conectar o Paraguai, devido à integração econômica que existe entre o país vizinho e a região. Ele ressaltou ainda a infraestrutura de parceiros como o Polo Tecnológico Itaipu, universidades e empresas que demandam e produzem inovação.

“Estamos pensando além das fronteiras. Buscamos essa chancela do governo federal para envolvermos o setor produtivo e de inovação paraguaio”, mencionou Danilo Vendruscolo. “Como os polos de agroinovação fazem parte de uma política nova, acreditamos que também podemos ajudar a desenhar o modelo de governança e a forma de atuação desses organismos”, concluiu.

 

Inovação em rede

O Sistema Regional de Inovação (SRI) é uma rede formada por representantes dos setores governamentais, universitários e empresariais que interage para promover, identificar e compartilhar iniciativas de inovação. Sua atuação está alinhada aos objetivos do Programa Oeste em Desenvolvimento.

Fotos: Marcos Labanca/Grampo Comunicação

Fonte: Grampo Comunicação

Facebook
Google+
Twitter